As pessoas são muito acolhedoras para os estrangeiros e ajudam sempre que possível, o que torna a adaptação mais fácil, fazendo esquecer por momentos muitas das diferenças e saudades de Portugal.

 

APM E a adaptação a nível profissional?

 

JB A adaptação a nível profissional foi mais fácil, a arquitetura tem uma linguagem universal. Trabalho com arquitectos com uma formação distinta, o que é muito enriquecedor, pela partilha de conhecimentos e ideias, reflexionando sobre a natureza da arquitectura e a essência e a vontade de ser das coisas, sempre com o objectivo de criar ambientes estimulantes aos sentidos do Homem, para o seu bem-estar, para lhe transmitir algo, ou até para o ensinar.

 

APM Estás satisfeito a nível profissional?

 

JB Sim, estou satisfeito a nível profissional, o gabinete (SAC – studio de arquitectura y ciudad) tem vindo a realizar projectos interessantes e em poucos meses de trabalho ganhamos o primeiro prémio do concurso internacional de arquitectura “The Micro House Ideas Competition” em Denver, concurso no qual participei. Espero com o tempo adquirir cada vez mais conhecimento e ter a oportunidade de intervir na sociedade de maneira mais significativa.

 

APM E a nível pessoal e social?

 

JB A nível pessoal e social também estou satisfeito, todos os dias algo me surpreende e há coisas novas para aprender e partilhar.